Diferenças entre safira, cristal mineral, sapphlex, acrílico e hardlex!

O material transparente que recobre a face do relógio, comumente chamado de cristal, tem sido fabricado a partir de diversas matérias primas ao longo da história e as dúvidas quanto a vantagens e desvantagens de cada uma são recorrentes entre os apreciadores de relógios. Hoje abordarei esse tema no intuito de esclarecer e desmistificar alguns boatos.

Vejamos os principais tipos de cristais.

Seiko Bell-Matic 4006-6031 1972, cristal em acrílico. Foto: @SeikoPhD.

Acrílico: o Cristal de Acrílico é sem dúvida um dos materiais mais antigos utilizados para recobrir o mostrador dos relógios e é, por definição, nada mais que uma película de plástico. O acrílico tem como principal ponto em seu desfavor a facilidade de arranhar. Um esbarrão que seria insignificante para o mais modesto cristal de vidro pode significar um extenso dano na superfície do acrílico. Outros pontos negativos são a menor transparência se comparado com os demais e o fato de ganhar tons “amarelados” conforme se expõe prolongadamente ao sol. Saliento que existem acrílicos de níveis distintos de qualidade, sendo os superiores bem mais resistentes ao amarelamento.

Por outro lado esse material é facilmente polido, costuma voltar praticamente ao estado de novo caso os arranhões não sejam profundos e retomar sua transparência original. Outra grande vantagem é que o acrílico se mostra bem resistente a rachaduras e a estilhaços após sofrer um impacto mais contundente e este é o motivo pelo qual ainda hoje é bastante utilizado em relógios infantis e em computadores de mergulho, pois sob forte pressão da água ele comumente se deforma após um impacto, mas dificilmente se parte, evitando o acesso da água ao equipamento.

Relógio Reguladora português, anos 60, cristal em vidro. Foto: Gelson Filgueiras.

Vidro: fabricado desde o Egito antigo a partir de uma mistura de silícios (areia) e carbonatos por meio da fusão a altas temperaturas, o vidro é uma substância quebradiça e de baixa resistência a riscos. Normalmente não é utilizado em relógios de pulso por conta de sua fragilidade, já nos modelos de parede costuma ser a regra, embora alguns também utilizem acrílico.

Cristal Mineral: esse tipo de cristal equipa a grande maioria dos relógios fabricados no mundo e é obtido a partir do vidro comum que passa por um tratamento químico ou de calor no intuito de aumentar a sua rigidez. As principais vantagens são a maior resistência a riscos e o preço mais acessível em relação aos próximos cristais. Ele é fabricado em diversos formatos e espessuras, variando bastante nos quesitos resistência a impacto e valor final.

Seiko 5 Sports Atlas Landshark SKZ211, cristal Hardlex. Foto: @SeikoPhD.

Seiko Hardlex: esse cristal foi desenvolvido pela Seiko e se trata de um tipo de cristal mineral endurecido, mais resistente a riscos, mas ainda resguardando certa maleabilidade, o que lhe assegura mais resistência a choques e o impede de estilhaçar após sofrer um impacto. Normalmente o Hardlex apenas trinca e não chega a expor o mostrador do relógio.

Na escala de rigidez o Hardlex alcança 7 Mohs, não muito distante da Safira (9 Mohs), contudo não é tão quebradiço e possui maior resistência a impactos. Importante destacar que existem tipos distintos de Hardlex sendo utilizados pela Seiko, sendo os mais resistentes aplicados aos relógios de mergulho, e outros mais finos embarcam relógios de entrada como os Seiko 5.

Seiko Presage SPB093J1, cristal em safira curvada e revestimento anti-reflexo. Foto: divulgação Seiko.

Safira: o Cristal de Safira utilizado em relógios normalmente é sintético, criado em grandes blocos que posteriormente são cortados e polidos no formato desejado. Sua rigidez (9 Mohs) só perde para o diamante (10 Mohs), logo, é extremamente resistente a riscos e possui a melhor translucidez dentre todos os cristais desta lista. Ele possui grande valor agregado e geralmente equipa relógios mais caros da maioria das fabricantes, inclusive peças Seiko e Grand Seiko.

Por ser tão rígida a safira também é quebradiça (assim como o diamante) e normalmente estilhaça após sofrer um forte impacto, o que seria um grave problema no caso de um mergulho, por exemplo. Entretanto, um pouco de cuidado com o pulso faz parte de quem gosta de relógios e essa questão não é tão relevante para a maioria dos usuários imersos em seus escritórios.

Seiko 7N36-6A40 de 1983 e cristal Sapphlex. Foto: youtu.be/randomrob

Seiko Sapphlex: O Cristal Sapphlex também foi desenvolvido pela Seiko e a grosso modo é o cristal Hardlex que recebe uma lâmina de safira em sua face externa, unindo a resistência a impactos do Hardlex com a resistência a riscos da Safira. O melhor dos dois mundos!

Esse cristal foi utilizado em diversos relógios de mergulho dos anos 80 e 90, no entanto ao que parece a fabricação do Sapphlex se tornou menos atraente com o barateamento da produção da safira pela Seiko e a apelação comercial desta venceu, fato é que o Sapphlex não surge há um bom tempo entre os relógios Seiko e parece ter sido abandonado por sua criadora, embora ainda haja algumas outras empresas do ramo da relojoaria o utilizando.

Seiko Kinetic Sports 5M43-0A40 de 1993 e cristal Sapphlex. Foto: ebay.co.uk

Uma última observação a respeito da atual inclinação do mercado para a safira se faz necessária. Como vimos todos esses cristais têm seus prós e contras, porém a safira tem sido empregada mais diretamente na média e alta relojoaria, qual seria a razão disso? Estudiosos têm apontado a apelação comercial por trás do termo “safira” como sendo o principal motivo, assim como acontece com os “rubis” ou “jóias” utilizadas especialmente nos relógios mecânicos.

Observe que tanto essa safira quanto esses rubis não possuem valor para a joalheira, eles são sintéticos, não são verdadeiramente joias, mas os nomes “vendem bem” e agregam valor aos relógios, especialmente quando o público destinatário desconhece essas práticas de mercado. Deixo aqui o alerta para que você, amigo (a) leitor (a), fique atento (a) e não se empolgue à primeira vista quando ler “sapphire crystal” ou “50 jewels”, pois nem sempre esses rubis exercem função prática no movimento e esse cristal de safira será geralmente hiperinflacionado para te custar dez vezes seu valor real.

Não deixe de assinar nossas notificações por e-mail, de se inscrever em nosso canal no YouTube, curtir nosso Facebook e de nos seguir no Instagram. Forte abraço!

 

 

8 comentários em “Diferenças entre safira, cristal mineral, sapphlex, acrílico e hardlex!

Adicione o seu

    1. Tudo bom Vítor?
      Fico feliz que tenha gostado do artigo. Quanto à sua pergunta eu diria que depende do objetivo. Se a intenção for apenas não arranhar o cristal, o que seria justo por si só, tanto faz um ou outro, já que a superfície de contato é a mesma, ou seja, a safira. A bem da verdade o hardlex resolveria o seu problema na esmagadora maioria dos casos, contudo se a sua intenção for utilizar o relógio como uma ferramenta de ação/mergulho o sapphlex é a melhor opção pela resistência a impactos e estilhaçamentos. O difícil é encontrar um sapphlex hoje, e caso encontre sempre desconfiará se o cristal foi substituído. Boa sorte e espero ter ajudado.

  1. Sensacional o artigo, estava curioso sobre o hardlex por causa do Seiko Pressage e estava olhando um victorinox alliance que tem o safira, safira é bem mais seguro numa questão de ranhões profundos e tudo mais, mas realmente tem relógios que exageram no preço por conta disso. ótimo artigo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑